No posthumous party
26/12/2008
A Saudade Não-Inventada
31/12/2008

O Amor Não-Inventado

Cada palavra se enche de alegria

E os temperos guardam o segredo da magia

Que somente teus dedos conseguem inventar

E o ar se ilumina de poeira amorosa

Cada partícula se excita com teu sorriso

Na cama os braços representam tudo que pode ser  a paz

Sem aqueles apelos de mútuo armistício

Basta-me existir tua trégua

E tenho tua alma, tua clarividência da hora certa

Quando temos o momento azado  do gozo

Os corações uníssonos, a alma sôfrega e os lençóis sujos

E quando vem o outro dia, nossas caras refletem esperança.

E este dia é mais vitorioso do que qualquer guerra possa permitir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *