Como falar de livros que não lemos x Para ler como um escritor

O poder da diferença
02/03/2009
O compromisso diário: duas páginas por dia.
11/03/2009

Como falar de livros que não lemos x Para ler como um escritor

Eu vou ler o mais recente livro do Peter Bayard : Como falar dos livros que não lemos; mas sinto um evento de antecipação angustiante.

Estou lendo o guia da Francine Prose e , no final do livro, ela faz uma listagem de diversas bibliografias obrigatórias na estante de um bom LEITOR e de um bom ESCRITOR.

Então pergunto-me – uma vez que já estou lendo Francine e vou comprar Bayard- , como farei  jus aos ensinamentos de Prose se  terei que passar pelas fases da Palava-Frase-Parágrafo- Narração-Personagem-Diálogo-DETALHES e Gesto e terei de aprofundar- me (Ler na íntegra) as obras citadas? Para ela seria o ideal.  Mas para Bayard,  que ainda não li,  seria um despautério.

E se eu fosse um escritor – mas isso também ocorrerá como leitor- , como poderia aprender sobre as tais premissas acima, sem conhecer as particularidades de uma personagem por exemplo; ou de uma exemplar narração, constituição de uma ótima personagem?

São questões quase existencialistas que me induzem a não seguir a lista da Prose e contentar-me com as impressões alheias sobre algo que devo construir com minhas próprias idiossincrasias. Mas ainda me falta a leitura de Bayard. E justamente por essa razão subjaz uma dúvida terrível:

-Devo comprar e ler livro de Bayard?

Ou posso deixar passar despercebido e contenar-me com qualquer resumo ou catálogo que venha falar de: Como falar de livros que não lemos ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *