A Análise Psicológica dos “Nick Names” em Sites de Bate-Papo.
25/04/2009
O calendário dos missionários mórmons
02/05/2009

Tem medo de escrever?

           Uma colega perguntou se meu ex tinha acesso às minhas poesias e devaneios escritos. De pronto, respondi-lhe que não havia problemas. Ele fora o maior estimulador de minhas mentiras e criatividade. Talvez, por essa razão, eu houvera de ser tão libertino, tão livre para sonhar que tenha perdido o sentido das coisas divididas, do senso da comunhão. E por isso, tenha caído na dimensão egoísta do autor em gozo onírico. Aquele gozo próprio, sem audiência; a descoberta íntima de algum legado. Talvez por essas razoes e outras tenhamos separado. Mea culpa”, talvez tenha sido eu o causador de tudo. Mas me restou minha herança: meus livros que somam prazeres únicos, somente meus.

            E por isso e muitas outras coisas, eu pressenti que minha felicidade e meu gozo não deveriam ser somente meus. Eu deveria dividir e, sendo assim, não existiam dois, mas eu apenas.

            Dizem que o poeta e o escritor confessam de certo mister niilista e egoísta , ao ponto de não sobreviverem a si mesmos. Como então poderia eu- escritor descoberto- satisfazer minhas necessidades e prioridades e obrigar a outrem assumi-las?

            Acerca do que escrevo, é apenas pura verve poética de criatividade, de divagação e permissão de invadir mundos. Quando falo em sexo ou em mãos dadas; quando escrevo um conto apimentado, isso não quer dizer que seja o que escrevo. Por mais que acredite que tudo que escreva tem algo de mim, esse algo é o exercício da forma imaginativa, como corpo elevado, tirado de si, observando tudo curiosamente. Sou eu, mas em estranhamento com tudo que é certinho.

            Quando escrevo com propósito de ser eu, meus títulos e temas se traduzem em mim, em gritos, em falas de solidão e esperança. Quando fujo desses parâmetros sou o poeta sonhador que espera por tudo, por todos e pela cura das doenças.

3 Comentários

  1. BIANCA disse:

    Legal o que escreveu, mas o que sinto de verdade e que não precisa se justificar, o que vc escreve é lindo, típico de uma alma sensível. Seja como for e venha como vier a sua inspiração você consegue transformá-la em arte.

  2. tiagosoraggi disse:

    todo poeta busca se curar, se curar e se curar. letra a letra, homeopatico, sem machucar, no acalento. O poeta vai curando a todos enquanto espera, agarrando-se às letras pela sua cura… Por que somos mártires Roberto? Podemos ser santos?

  3. Ainda procuro a cura!
    Mas o melhor é a cura dos outros do que a nossa própria!
    Acho que o melhor da vida é almejar a santidade por meio dos pecados. Sendo assim, não sei se seremos mártires! Poderemos ser apenas lembrados por tentar curar o mundo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *