O passado é uma selva de horrores
21/05/2010
AMOR DEPOIS DE TUDO
24/05/2010

Registo do momento

Esse nada que vem e enche tudo como se fosse água de chuva, mas é água de mar; essa vontade de tudo que se esvai com o segundo da hora feliz; tudo isso me comove ao ponto do registro vazio.

Vez em quando me sinto assim como a grande criação de tudo aquilo que já foi feito, lendo o livro do autor favorito, mesmo aquele que detesto.

Vem o livro em mim, mas sai o conto pequeno a vontade de dizer tudo logo. Isso acontece o tempo todo, a desistência do projeto incial.

Quero ouvir enjoy the silence e sentar naquela cadeira de rei, como se pudesse rule the world. Apenas mudaria aquela coisa da little girl. Nas linhas finais, o refrão se repetiriam ad infinitum.

E minha dose cavalar de própolis com álcool está pronta; 1,5L todos os dias. Só pra não perder o gostinho etílico do líquido.

Daqui vejo a cama desarrumada, ou seria desalinhada. A música tá acabando. Repeat, repeat. As ideias ainda perfazem um caminho tortuoso.

Pequenos pedaços de bolacha vou catando aqui e ali; sobras da minha sofreguidão com o todo. Mas elas vão embora cada uma a seu tempo.

O desejo de continuar escrevendo e dar um valor maior a tudo que penso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *